domingo, 19 de dezembro de 2010

Me faz lembrar você.


Eu postei essa mesma foto ontem no Facebook, mas não resisti e vou postar aqui também.
Aqui em Barcelona, eles têm uma coisa chamada "Música no Metrô", que são espaços específicos nas estações de metrô da cidade que ficam reservadas para que os artistas possam expor suas músicas.
Pelos corredores do 'subsolo' barcelonês se pode encontrar os mais diversos tipos de música, instrumentos e nacionalidades, e a grande maioria, pra não dizer todos, são muito bons!!!
No metrô aqui perto de casa mesmo (Fontana), tem uma brasileira que canta d.i.v.i.n.a.m.e.n.t.e, fico feliz sempre que passo e ela está lá cantando Marisa Monte, Djavan, Chico, dentre outros dos nossos artistas maravilhosos!!
Essa foto aí em cima, foi tirada ontem por mim na estação da Plaza Catalunya (a mais importante da cidade) e esse grupo que estava tocando, se apresenta lá toda semana. E o mais interessante, são os fãs assíduos que sempre estão presentes para assistir e o melhor, DANÇAR!
No momento que passei ontem, ainda não tinha muita gente, acho que a bandinha tinha acabado de começar e as pessoas estavam começando a chegar e se aglomerar pra ver e/ou dançar. Notei alguns 'novatos' ainda criando coragem de perder a vergonha e arranjar um parceiro.
A maioria dos ilustres dançarinos é de idosos que dão um verdadeiro SHOW de dança!! E não tem como não parar pelo menos 5 mins pra poder olhar. Eu sempre paro!
Tem um casal muito fofo que hoje não estava, pelo menos não no momento que passei, mas acredito que ainda estavam por vir, porque eles sempre estão por ali, Eles são muito fofos e dançam suuuuper bem, não é a toa que são nossos preferidos (meu e do Pedro)!!
A verdade, é que além da fofura que são esses velhinhos (carinhosamente falando), cada vez que passo por ali, e vejo eles tão alegres dançando, é impossível não lembrar do meu Minho (avô Charles), que era um verdadeiro pé de valsa!!! Lembro até hoje de quando subia em seus pés e ele me conduzia até que eu aprendi a fazer com os meus próprios.
Aiii que saudade. Muita saudade. Doída, mas gostosa.
Cada vez que vejo esses senhores, lembro do meu, o mais fofo e amável de todos... e não tem como não deixar o sorriso estampar no meu rosto.



Trilha Sonora: "E até hoje não houve um só dia em que eu não me lembrasse de você..." (Jota Quest)

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Vida minha sim.



Tenho certeza que algumas pessoas que lêem meu blog, ou outros dos meus meios virtuais (como facebook, twitter e etc) podem achar que eu exponho demais a minha vida.
Pode até ser que sim, mas sinceramente, eu queria saber? Que mal há nisso?
Qual o problema em dividir alegria? Desabafar alguma tristeza? Comemorar alguma conquista?
Eu gosto de escrever sobre o que me dá vontade, me inspira. Seja o que for.
Se no momento a inspiração é a minha própria vida e os acontecimentos que surgem nela a cada dia, ótimo!!
Minhas experiências diárias, minhas alegrias, meus desabafos, minhas impressões, minhas tristezas, realizações, enfim, minha vida e tudo que faz parte dela, é a minha maior inspiração, e, portanto, sobre ela irei escrever.
A verdade é que eu não tenho medo de gritar minha felicidade aos 4 ventos, essa história de que "a inveja tem sono leve" não é razão suficiente pra me calar. Acredito em inveja sim, e no poder negativo que ela tem, mas acredito mais ainda no meu anjo da guarda, no meu Deus e no fato de saber que estou protegida por ambos. Então, pode vir a inveja que for, que meu santo é realmente muito forte.
Respeito a maneira de ser de cada um, das pessoas mais reservadas, das semi-reservadas, das abertas e até das escancaradas. Acho que a vida é de cada um e todos têm o direito de fazer com ela, aquilo que quiser. Isso se chama livre arbítrio.
Eu sou transparente. Falo, comparto, opino, exponho. É assim que eu sou.
Até certo ponto, é claro. Existem coisas que eu acho que não precisam ser ditas, momentos que não cabem ser revelados e sentimentos que não devem ser expostos. Mas àqueles que eu acho e quero que sejam postos pra fora... serão e ponto.
Se eu estiver triste e quiser desabafar; irritada e quiser extravasar; se eu conquistar algo e quiser contar; ou estiver feliz e alegre e quiser compartilhar... assim o farei.
E se eu ainda quiser falar bobagem e achar que preciso "postar"... outra vez, assim o farei.
Aqui no blog, no facebook, twitter, orkut e onde mais me 'der na telha'... e sabe porquê?
Porque é minha vida e eu posso.
Sei que tem um monte de gente que acompanha diariamente as coisas que escrevo, em todos os meios virtuais e por diversos e variados motivos, mas por agora, vou me ater a falar desse meio especificamente: o blog.
O número de seguidores aqui do blog têm crescido bastante e as visitas diárias também, o 'sitemeter' não me deixa mentir. Sei que a maior parte dos visitantes é de amigos e família, que entram pelo interesse que tem por mim, ainda mais agora que estou morando longe, alguns conhecidos que entram apenas por curiosidade, ou porque gostam de acompanhar, deve ter os que acham interessante mesmo sem me conhecer, e também aqueles que não gostam e entram para poder criticar, além de diversas outras razões.
A verdade é que, seja por qual motivo for, eu gosto de todos que aqui aparecem, lêem e comentam ou não.
Sei que as pessoas que por aqui passam, lêem porque querem, e gostam porque gostam... ou lêem e não gostam e não voltam mais, ou não gostam, mas por algum motivo continuam voltando.
Whatever.
Aos que visitam lêem e gostam, fico feliz.
Aos que visitam, lêem, gostam e comentam, fico ainda mais feliz.
Aos que visitam, lêem e por algum motivo, não gostam, tudo bem, agradeço a visita do mesmo jeito e se quiserem, ainda assim, voltar, sejam bem vindos.
Aos que visitam, lêem e se incomodam ou se ofendem com o que lêem, só posso falar: ou minha mensagem foi recebida com sucesso, ou a mensagem não era pra vc, mas a carapuça serviu direitinho, ou a felicidade alheia te incomoda. Em qualquer dos três casos, eu devo dizer que sinceramente, não ligo a mínima, agradeço a visita e convido a voltar sempre que quiserem.
Eu continuarei escrevendo sobre aquilo que me dá vontade e farei sempre com muito prazer, porque acho que esse é o X da questão.
Se amanhã eu tiver ânimo de escrever receitas culinárias, ou falar sobre política, economia, esportes ou turismo, será sobre isso que vou escrever.
Atualmente é sobre comportamentos, amor, situações, saudades, rotina, opiniões, gestos, alegrias... e assim será até quando for.



Sejam sempre bem vindos!



Trilha Sonora: " Minha voz, minha vida, meu segredo e minha revelação, minha luz escondida, minha bússola e minha desorientação..." (Caetano Veloso)

domingo, 28 de novembro de 2010

Minha rota... nossa rota!!

Muitas coisas na nossa vida acontecem sem que a gente planeje.
E muitas delas acontecem, inclusive, quando a gente planeja exatamente o contrário.
Isso quer dizer, necessariamente, que essas coisas não são boas???
Claro que não.
O que acontece é que nós, indivíduos, temos muita dificuldade quando o assunto é encarar uma mudança de plano (fato). E isso ocorre porque, às vezes, fazer isso é realmente uma coisa complicada.
Trocar "o certo pelo duvidoso" nem sempre é um caminho fácil, até mesmo porque, ele envolve uma série de riscos.
Em relação a um tópico específico da minha vida, eu tinha um determinado plano.
Um bem diferente do que estou seguindo hoje, diga-se de passagem.
A vida foi tomando um rumo completamente diferente do planejado, apenas porque, no decorrer do meu caminho, resolvi pegar um rápido desvio.
No começo, me culpei um pouco, afinal de contas, por causa de um desvio sem importância, e naquele momento, totalmente desnecessário, aliado à minha mania de sinceridade, estraguei uma parte do plano.
Porém, daí em diante, por incrível que pareça, e por mais que eu não imaginasse, eu continuei seguindo por aquele desvio.
Estranhamente rápido demais, este desvio passou a ser contínuo, e assim foi indo até que passar por ali todos os dias passou a ser uma coisa natural, parte da minha rotina.
Parei pra pensar e pensei em parar, da mesma forma que tinha feito todas as outras vezes desde que cheguei aqui em Barcelona... não queria me envolver com nenhum novo caminho aqui, a caminhada sozinha estava sendo muito divertida!! Hahhahaha Além do que, já estava suficientemente envolvida com um caminho no Brasil que, por culpa minha, não daria mais certo... tudo que eu não queria, era me envolver outra vez.
Mas daí pensei: “ahhh que mal pode haver nisso?” Afinal, era só um simples desvio, nada demais! E continuei seguindo por ali.
Era sim um simples desvio, e eu pretendia que continuasse sendo, até que ele foi tomando um rumo inesperado.
Sem ao menos esperar, apenas uns 15 dias depois que tudo começou, lá para a metade de dezembro, tudo começou a mudar. O tal “desvio”, praticamente transferiu sua rota e se instalou no meu apartamento. Passamos a ocupar um mesmo espaço... o meu espaço.
Como pode? Assim tão rápido? É... foi assim.
E como se não fosse surpreendente o bastante, logo começou a busca por um novo espaço... o nosso espaço.
No fim de dezembro encontramos, visitamos, gostamos... e enfim alugamos um novo apartamento. Maaaais uma vez, fui me deixando levar, sem parar pra pensar muito... ia ser bom pra mim por uma série de outros motivos, então resolvi ver no que ia dar.
Até que chegou 1º de janeiro e mudamos. Eu, ele, a coelha que ele tinha me presenteado de Natal e o nosso agregado (meu amado Tio Vinny).
Foi então que logo percebemos que o que antes era um simples desvio, agora já tinha virado um atalho, o qual estava me levando para uma direção diferente da que eu tinha planejado.
E agora, que fazer?
Depois de muito tentar lutar contra, por todos os motivos que tinha, enfim resolvi assumir que aquela ligação já era algo real. Mas, por mais que tivéssemos assumido isso pra gente, e de muuuitos já terem conhecimento (antes mesmo de nós), as coisas ainda não podiam ser tãããão explícitas, afinal, nem todos os atalhos e caminhos que estavam longe, porém, interligados a nós de alguma forma, precisavam saber. Ainda.
Enquanto eu tentava continuar seguindo pelo meu atalho tranquilamente, sem pretensão alguma, sem plano algum, apenas porque o atalho era legal e divertido... sons, imagens e lembranças do meu antigo caminho insistiam em me fazer pensar se eu não deveria tentar voltar para a antiga rota e abandonar o atalho.
E por muitas vezes eu pensei nisso.
Até porque, também existiam alguns "problemas" com o atalho. Apesar de não estar mais atrelado realmente, ele também estava, de certa forma, na mesma situação que eu... ligado à outro caminho. E era difícil pra ele fechá-lo de vez, afinal, a construção daquele caminho durou um certo tempo.
O atalho me pediu pra ser paciente, porque ele queria e iria fechar aquele caminho, e queria muito que eu continuasse seguindo por ali, ele só tinha que se preocupar em como fechar sem que causasse muitos danos. E isso era difícil, ele precisava ser cuidadoso.
Eu entendi, claro! Afinal, eu mesma estava tentando fazer o mesmo: me desligar do meu antigo caminho e não conseguia. Primeiro por também não querer causar ainda mais danos do que já havia causado, e segundo porque no fundo, eu não queria abandoná-lo, aquele caminho foi importante demais pra mim.
Em um determinado momento, aquele antigo caminho ligado ao meu atalho ameaçou fechar, pela descoberta do óbvio, do que já estava acontecendo. Só que infelizmente isso ocorreu da pior maneira possível, não do jeito que deveria ser. Apesar de me incomodar com as explicações, argumentos e até mentiras utilizadas, eu concordei que não era daquele jeito que ele deveria ser fechado e aquela maneira utilizada pra evitar isso (apesar de incômoda pra mim), talvez fosse a única forma de tentar remediar aquilo naquele momento. Mais uma vez, a pedidos, eu tentei entender e ser paciente. E ao final, depois de muito insistência, aceitei. De certa forma entendi a fraqueza em não falar a verdade e precisar mentir naquele momento, por mais que discorde de qualquer tipo de mentira, eu sabia o quanto era difícil e compreendi. Não porque sou a pessoa mais compreensiva do mundo, e até tento ser bastante sim, mas principalmente porque eu também estava na mesma situação. Então, como podia reclamar? Não compreender? Não seria justo.
Além do fato de que também, naquela época, sinceramente, nada daquilo me importava muito. A verdade é que a minha passagem por aquele atalho não era significativa pra mim. Como disse antes, era apenas divertido e eu curtia passear por ali, mas a minha cabeça ainda estava ligada ao outro caminho, então, realmente, não me importava muito.
Eu sabia de tudo que acontecia no atalho, sabia, inclusive, de muitas das suas histórias, assim como ele sabia também muito de mim. E justamente o fato dele ter sido sempre muito honesto comigo sobre tudo, e de ter se esforçado muito pra consertar todos os buracos que apareceram no decorrer do tempo, para que pudéssemos ir adiante, é que me fez valorizar todo o percurso, e começar a pensar nele como algo a mais que um simples atalho.
E porque não, né?
Com o passar do tempo, a minha caminhada pelo atalho foi se modificando e o meu interesse em estar ali, consequentemente, também. Por várias vezes, pensei em deixar tudo pra lá e seguir um outro novo caminho. Nem o antigo, nem o atual, simplesmente outro. Parecia a coisa mais racional a fazer, mas daí cada vez mais, ele foi me mostrando que a passagem por ali podia ser mais do que uma simples diversão e curtição.
E podia realmente.
Só que isso não seria possível enquanto existissem outros caminhos que, de alguma forma, ainda estivessem interligados a nós. Incomodava os dois.
Foi aí então que (por mais que soubéssemos que já havia um certo conhecimento à respeito), resolvemos, finalmente, falar abertamente a estes nossos "antigos caminhos", que havíamos encontrado "caminhos novos", para que assim, superados todos os obstáculos, e sem ter mais com o que nos preocupar (de certa forma), pudéssemos assumir a ligação de vez, e para todos.
Posso afirmar, portanto, que apesar de todos os meus planos completamente diversos, o meu antigo rápido "desvio", se tornou um “atalho" muito longo, e que hoje é um “novo caminho”, chamado Pedro Henrique, e juntos estamos construindo uma nova rota que iniciou há 365 dias atrás, cheeeeeia de novos planos, amor, amizade, carinho, união, companheirismo, cumplicidade, esforço, vontade, alegrias, algumas tristezas, apoio, risadas, crescimento, duas filhas (cahorrinha e coelhinha) e uma felicidade absurda e SEMPRE maior.
Onde essa nova rota vai dar????
O tempo se encarrega de responder...



;)


PARABÉNS PRA GENTE!!!!!!!! UM ANOOOO!!! HAHAHAHAHA



Trilha Sonora: "Um amor puro, não sabe a força que tem, meu amor eu juro, é teu de mais ninguém." (Djavan)






- Novembro 2009 -




- dezembro 2009 -




- Janeiro 2010 -




- Fevereiro 2010 -





- Março 2010 -





- Abril 2010 -





- Maio 2010 -




- Junho 2010 -




- Julho 2010 -




- Agosto 2010 -




- Setembro 2010 -




- Outubro 2010 -





- Novembro 2010 -



Viagens::::::



--- Roma (Itália) ---





--- Vaticano ---






--- Amsterdã (Holanda) ---





--- París (França) ---





--- Bruxelas (Bélgica) ---





--- Orleans (França) ---




--- Sitges (Espanha) ---





--- Port Aventura - Tarragona (Espanha) ---

domingo, 21 de novembro de 2010

Dream about it....

O que seria da nossa vida sem a capacidade de sonhar???
Que graça teria??
Por mais que eu acredite que a vida só tem sentido quando a felicidade é real, a busca da mesma só acontece para aqueles que se permitem, primeiramente, sonhar, e claro, tem a capacidade de se atirar na busca da realização deste sonho.
Desde pequenos, sonhamos. Quando crianças, sonhamos ser a princesa do conto de fadas que lemos, sonhamos em ser paquitas (quem foi da era Xuxa), sonhamos em ser uma Spice Girl, sonhamos ser notadas pelo menino mais bonito do colégio, sonhamos ser uma atriz famosa da Globo. Depois que crescemos um pouco mais, sonhamos em manter os antigos amigos da rua e da escola pra sempre, sonhamos conhecer a Disney World, sonhamos ter a liberdade de não obedecer mais aos pais e não ter horário pra voltar pra casa, sonhamos conhecer a Europa, sonhamos que um dia não seja necessário fazer o vestibular, sonhamos passar no vestibular, sonhamos fazer 18 anos pra poder entrar nas boates e dirigir. Depois que entramos na faculdade sonhamos continuar gostando do curso que estamos fazendo, sonhamos que um certo professor de Direito Administrativo II seja substituído, sonhamos fazer viagens de intercâmbio, sonhamos não perder o contato com os amigos da faculdade, sonhamos não ter que escrever Monografia, sonhamos em tirar uma nota boa na tal Monografia, sonhamos em finalmente nos formar.
E mesmo depois, não paramos de sonhar. Alguns sonham em encontrar um excelente trabalho e se realizar profissionalmente; outros sonham em fazer um curso de especialização, pós graduação, ou coisas do tipo; existem os que sonham em um dia casar e formar família; e outros tantos que sonham em morar fora do país ou conhecer o mundo. Existem os que sonham tudo isso, ou os que sonham algumas ou, pelo menos, uma dessas coisas.
E quando vc acha que, além disso, já não existe mais muita coisa de diferente pra sonhar, quando menos se espera, eis que um sonho antigo volta a ocupar sua mente de uma maneira tão forte e intensa, que vc percebe claramente que é hora de tirá-lo lá do fundo, da fase de imaginação e finalmente transferí-lo para a realização.
Se seu sonho é estudar Arquitetura de Interiores, uma paixão antiga, mesmo quando vc se forma em Direito e mal acabou de fazer uma pós graduação na sua área, que importa??
Corre atrás...
Se seu sonho envolve vc continuar morando fora do país por mais um tempo, mesmo morrendo de saudade de todos os seus amigos e família, que importa??
Corre atrás...
Se seu sonho significa ter que gastar uma boa parte da sua economia que vc conseguiu juntar com alguns meses de trabalho, que importa??
Corre atrás...
Isso que faz dele ser um sonho... a capacidade que temos de nos esforçar para que ele seja realizado, a vontade que temos de tirá-lo do plano hipotético do " e se", para trazê-lo para o "agora sim".
Sonhar nos permite enxergar o impossível como possível.
É abrir janelas de possibilidades.
Sonhar é visualizar caminhos que por algum momento pareceram abstratos, frutos apenas da sua mente, mas que agora te levam para um lugar de felicidade real, concreta.
É não ter limites, é correr atrás, é perseguir, e não medir forças para executá-lo.
É decidir viver a felicidade plena, e pôr em prática todos os seus desejos mais profundos, e não se contentar em vivê-los apenas na sua mente.
É ter a coragem de se atirar a um sentimento de bem-estar e satisfação, se entregando de coração e sem restrição a este sonho.
É não ter medo, ter esperança.
Sonhar é fazer, realizar.
É viver.



Eu estou realizando e vivendo mais um!




Trilha Sonora: "Agora eu vou sonhar, eu vou sonhar mais alto, e cada sonho meu, há de tornar mais leve o salto. (...) Agora eu vou sonhar, eu vou sonhar maior, e cada sonho meu, há de criar-se ao meu redor." (Titãs)

sábado, 6 de novembro de 2010

Brasilidade

Essa semana, conversando com um espanhol no SubRosa (bar), ele me fez a seguinte pergunta: "De onde vc é?"
Respondi que brasileira.
E recebi um olhar de incredulidade, como se eu tivesse dito algo difícil de acreditar.
Não entendi.
Perguntei o porquê do espanto e a pessoa me respondeu: "É que vc não tem sotaque brasileiro, achei que fosse de algum outro lugar aqui da Espanha ou de algum outro país da América do Sul que fale espanhol."
Sem dúvida, minha primeira reação foi um sorriso e um: "Gracias". E realmente fiquei bem feliz, isso é prova de que meu 'castellano' não está nada mal.
Mas daí, mais tarde, parei pra pensar um pouco mais sobre o ocorrido e sinceramente, não sei dizer se isso realmente me deixa assim tããããão feliz.
Saber falar bem, e receber elogios por conta disso, claro, é gratificante, mas por outro lado, eu sempre ficava feliz quando alguém notava o meu sotaque brasileiro e perguntava: "brasileña?"
Sim, sou. Brasileira, e daquelas bem brasileiras mesmo. Como disse num outro post lá atrás, com muito orgulho e muito amor.
Posso falar bem o inglês, o espanhol... e um dia até aprender outras línguas e ser uma poliglota, Ótimo! Mas quero e faço questão de ser reconhecida como brasileira (e baiana, é claro!!), em qualquer lugar do mundo que eu estiver.
Será que no meio de tantos "vale", "ya está" e "no pasa nada" eu vou ter que enfiar um "ouxi" ,"beleza" e "de boa" pra me 'abrasileirar' mais??
Se for necessário, chamo até de painho, meu rei... kkkkkkkkkkkkkkk....






Trilha Sonora: "Um país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza, mas que beleza, em fevereiro, tem carnaval..." (Jorge Ben)

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Ser amada é...


É dividir todos os momentos, alegrias, tristezas, problemas, segredos, fraquezas, enfim... dividir a vida, o dia-a-dia com vc...

É buscar o seu pézinho de noite pra dormir enroscado com o dele...

É voltar cansado depois de um dia de trabalho, mas com um monte de rosas pra te dar, num dia qualquer da semana...

É às vezes preferir ficar em casa num sábado a noite, vendo filme e fazendo comidinha, ao invés de sair pra "tomar uma" num bar...

É também gostar de ir para as baladas, e sempre se divertirem horrores juntos (e algumas vezes, ir pra boate, mesmo sem muita vontade, só pra te agradar, porque vc tá doida pra ir dançar)...

É ir no seu trabalho no dia dele de folga, e ainda te dar rosas...

É te dar uma coelhinha de presente de Natal pra que vc sinta menos saudade da sua cachorrinha do Brasil...

É procurar, alugar e redecorar o apartamento juntos...

É passar o dia todo cozinhando no restaurante, e ainda assim, a noite, fazer comida pra vc e deixar guardada pra quando vc chegar do trabalho...

É sugerir comprar uma cachorrinha e decidir aumentar a família (hahaha)...

É se atrasar de manhã pra ir pro trabalho só pra fazer um carinho e uma massagem em vc pra melhorar sua dor no ombro (tendinite é uma merda)...

É ter a idéia e a paciência de te ensinar a pilotar motos...

É fazer planos que te incluem e realizá-los...

É te dar colo e tentar te alegrar quando está triste...

É pedir pra vc ir deitar mais cedo quando voltar do trabalho de madrugada, porque sente falta de dormir abraçadinho...

É dar pra vc o travesseiro que ele tanto amava e trouxe do Brasil, só pra melhorar sua coluna e vc dormir melhor...

É planejar mais viagens...

É se preocupar, cuidar, proteger e mimar vc....

É desistir de ir ao Brasil no Natal, pra poder passar com vc...

É acordar cedo pra trabalhar e antes de sair, confirmar que vc está toda coberta, e então fazer o "pacotinho" com o lençol pra vc não sentir frio...

É dizer que namorar com vc foi a melhor idéia que ele teve em Barcelona... aliás, não, melhor idéia que teve na vida...




E é por isso... e por tanto mais... tanto mais....
Que cada dia a minha recíproca é ainda mais verdadeira... mais real... mais intensa...!

" Se o amor é fantasia, eu me encontro ultimamente em pleno carnaval."

(Vinícius de Moraes)



Te amo meu Mumu!

Obrigada pelos 334 dias especiais ao seu lado!



Trilha Sonora: "Ainda que eu falasse a língua dos homens, e falasse a língua dos anjos, sem amor, eu nada seria. É só o amor! É só o amor, que conhece o que é verdade... o amor é bom, não quer o mal... não sente inveja ou se envaidece..." (Legião Urbana)

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Amor Próprio, o próprio amor.

Ow... mais de um mês sem escrever aqui. E o mais engraçado de tudo isso é que tem tanto que quero falar...
Acho que o problema é ter que ter cuidado em como falar sobre alguns assuntos.. pois, ao mesmo tempo que acho que preciso ser sutil, quero que a mensagem chegue ao destino almejado.
Vamos ver se consigo alcançar os dois objetivos.
Amor próprio; self love; amor propio; amore di sé; l'amour de soi... não importa a língua, em todos os lugares ele significa a mesma coisa.
No dicionário diz: "Amor-próprio: s. m. Respeito que cada qual tem de si mesmo, da sua dignidade."
Eu acho que começa por aí, mas vai muito além disso.
Ultimamente tenho visto um caso típico de falta de amor próprio, aquele o qual a pessoa, talvez, de tanto amar a outrem, esquece de amar a si mesmo. Se é que tal coisa pode ser chamada de amor, ao invés de obessão. Opiniões variam acerca desse assunto.
Por mais que se ame alguém intensamente, o que eu acho sublime - diga-se de passagem - em momento ou hipótese alguma, deve-se deixar de amar primeiro a si mesmo. NUNCA.
E isso funciona pra homens e mulheres. Antes que pensem que estou fazendo algum discurso feminista aqui.
Seja qual situação for: amorosa, amistosa, profissional, etc etc, é importante manter sua auto-estima elevada. Auto-estima essa que caminha lado a lado com o amor próprio, claro. Não se pode ter uma auto estima elevada sem se amar.
Existem pessoas que por pura falta de um desses dois, ou nos piores dos casos, dos dois (o que é realmente triste), começam a ter atitudes erradas e porque não dizer: ridículas.
Conheço dois tipos de comportamento pra quem sofre de falta de amor próprio e/ou baixa auto estima. O primeiro é aquele escancarado, a pessoa insiste em se menosprezar, se colocar pra baixo, acha que não é merecedora do amor de ninguém, geralmente é complexada por algum motivo e faz questão de deixar isso bem claro pra todos que a conhecem. Este é o que considero triste.
O outro tipo é exatamente o oposto, a pessoa gosta de se auto elogiar todo o tempo, frisar sua beleza física e demais qualidades, sente a necessidade de ser querida e amada por todos, e geralmente gosta de afirmar o quanto é querida e amada por todos, mesmo quando na verdade, isso não é real, adora passar uma imagem de felicidade extrema, o quanto sua vida é maravilhosa, quando no fundo, no fundo, a intenção é disfarçar a amargura pela qual está passando... o que, ao final, fica bastante claro diante de algumas atitudes "escondidas". Escondidas entre aspas porque apenas na cabeça delas, as atitudes estão sendo totalmente discretas, quando na verdade, acredite, não estão.
Já este tipo de comportamento, por sua vez, eu considero não somente triste, como um tanto quanto ridículo.
O que essas pessoas, muitas vezes conseguem com esse tipo de atitude é despertar a compaixão, consideração, e na maioria dos casos, a pena dos outros, o que sinceramente, é uma coisa bastante deprimente. Mas tem tanta gente por aí que se contenta com isso, e muitas vezes, ainda confunde tais sentimentos como uma espécia de recíproca ao amor que oferece.
O que, claro, só gera mais pena, e portanto, é ainda mais deprimente.
Acaba virando um círculo lastimoso que dura até que alguém cria a coragem de interrompê-lo. Thank God for that! Antes tarde do que nunca.
Por isso eu sempre digo, as pessoas precisam se amar mais, pra poderem amar mais aos demais de maneira saudável.
E quando me refiro a se amar mais, não é a necessidade de jogar confete em si mesmo e se tornar uma pessoa chata, desagradável e ridícula, e que acaba virando uma piada para todos a seu redor.
Tem uma frase que eu sempre repito: "quem precisa jogar confete em si mesmo, é porque não encontra ninguém que o faça." Filosofia de botequim? Pode ser, mas eu acredito piamente nisso.

Amor próprio trata-se de respeito por si mesmo, auto valoração, em meias palavras: confiança no taco, fé no caminhãozinho... seja lá como se queira chamar, o que importa não é ter que ficar falando pra os outros, é estar dentro de vc e sentir, mas sentir realmente.
Perceber que vc e somente vc é a responsável pela sua própria felicidade, e só depende de vontade e determinação para alcançá-la.
Corre atrás, pô!!


Trilha Sonora: "Amor próprio em amor é o próprio amor" (Dalva de Oliveira)

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

365 dias

E tudo mudou bastante em apenas 1 ano.
Apenas?? Ou seria... em toooodo esse tempo??
O sentido cronológico das coisas depende de cada perspectiva, do que vc está se referindo. Quero dizer, um ano pode ser bastante tempo, ou um tempo insignificante. Depende da referência.
Se me refiro ao tempo que estou sem ver as pessoas que mais amo no mundo... sim... é tempo bastante... suficientemente grande pra me fazer ficar extremamente triste vez ou outra, disparando aquela vontade enlouquecedora de pegar o próximo avião correndo só pra matar as saudades e depois voltar pra cá. Seguido da frustação de saber que "não, eu não tenho grana pra isso".
Se me refiro ao tempo que estou sem comer a comidinha da casa da minha mãe em Ipirá, de sair pra comer temaki com meus amigos, acarajé do GM, camarão do João no Porto da Barra, a picanha do churrasco preparado pelo meu padrasto, os quitutes e sobremesas da minha madrinha, a pipoca cheia de manteiga do cinemark, a coxinha de caranguejo do Ferrero, a tigela de açaí, ou cupuaçu com morango do Planeta Açaí, a água de côco da orla, Pizza Hut (acreditem, aqui não tem) dentre outras saudades gastronômicas... sim... um ano é tempo demais, e eu não sei como sobrevivi até agora! (sim, eu sou gulosa e adoro comer! kkkkkkk).
Porém, entretanto, todavia... se, por outro lado, me refiro a quantidade de coisas que vivi, pessoas que conheci, momentos que vivenciei, experiências que passei e o tanto, mas o taaaaaaaanto de coisas que curti... então me pergunto seguramente: "só tem mesmo um ano que tô aqui??"
Pois é... tudo na vida é muito relativo, e realmente depende da perspectiva e do ângulo que é analisado.
Há um ano atrás quando cheguei aqui, a minha perspectiva era outra, meus planos eram outros. A idéia era vim pra cá, fazer um curso de espanhol, ficar no mesmo apt (que foi uma sorte ter encontrado), curtir o finalzinho do verão, o outono-inverno e no começo da primavera, voltar pro Brasil. A idéia também, era de curtir toda a minha "solteirice" (após 3 anos e meio namorando) e aproveitar Barcelona "on my own".
Ééééé... isso aconteceu... pelo menos nos meus primeiros 3 meses aqui. Me mantive solteira (e não foi tão fácil, mas consegui! hahaha), e sim, aproveitei Barcelona ferozmente e intensamente... a Luz de Gás, Opium Mar, Sutton, Otto Zutz, Ovelha Negra, Shôko, Sugar, Jamboree, La Bolsa, etc etc etc que o digam... kkkkkkkk!!
Acontece que durante esse tempo (de setembro, que foi quando cheguei, até o começo de dezembro), muita coisa aconteceu. Nesse meio tempo, me apaixonei por alguém que estava no Brasil, e esperei ansiosa por sua visita no final do ano, mudei de apt. (pra um ainda melhor), decidi que não queria mais voltar pra o Brasil em março, fiz novos amigos, comecei a pesquisar minha pós graduação e achei que nada mais podia mudar tanto. Afinal de contas... o que mais poderia acontecer de tão diferente?
Foi aí então que a partir de dezembro, as coisas começaram realmente a mudar radicalmente. Uma nova pessoa que tinha conhecido no finalzinho de novembro, apesar de naquele momento, ser realmente só mais um pra mim, foi chegando, chegando e em apenas 2 semanas resolveu se mudar pra minha casa; ganhei a Francesca (minha coelha), dessa mesma pessoa como presente de Natal; a paixão que antes eu sentia por quem estava no BR, aos poucos começou a ir embora, e portanto, a visita no final do ano não ia mais rolar (eu e minha mania de sinceridade); resolvemos dar a louca e alugar juntos um apt. e nos mudamos com mais um amigo; comecei a minha pós; um sentimento novo foi começando a surgir; fui ao Brasil numa viagem relâmpago de uma semana pra renovar meu visto, quando voltei percebi que aquele sentimento que tinha começado a surgir, estava se tornando algo mais concreto; compramos juntos a Yuca (nossa cachorrinha); mudamos de apt. de novo; fomos padrinhos do casamento de uma amiga; comecei no Sugar e SubRosa; fiz uma viagem maravilhosa com as duas pessoas que mais adoro aqui pra París, Amsterdã e Bruxelas; tive que me despedir do melhor amigo que essa cidade meu deu; ganhamos um novo companheiro de apt; e agora estou ansiosa pela chegada do meu irmão mais velho no próximo sábado pra passar as suas férias comigo.
E tudo isso acompanhado de muita Otto Zutz, Ovelha Negra, Sugar, SubRosa, Catwalk, Razzmatazz, Shôko, etc etc etc etc etc etc etc.
Depois de tantos meses, tantas coisas, tantas mudanças, não estou mais solteira, moro num lugar excelente (quem conhece Barcelona, sabe onde fica Gracia hahaha), num apt. muito legal, com meu namorado, nossa cachorrinha, nossa coelha e um novo companheiro de apt. que já é um grande amigo e tá entrando pra família também.
Ahhh e quanto a parte de curtir Barcelona... beeem... continuo curtindo ABSURDAMENTE, só que agora, juntamente com um monte de gente que já é mais que especial pra mim.
No final das contas, posso dizer que as coisas não saíram exatamente como planejei há um ano atrás... estão BEEEEEEEEEM melhores!!!! Hahahahahaha Graças a Deus...

E o melhor, é que tudo que VIVI e APRENDI nesses 365 dias, vai ficar comigo pra sempre e nada, nem ninguém, nuuuuuuunca vai poder tirar isso de mim.

E melhor ainda, é que não acabaouuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu!!! kkkkkkkkkkkkk


Ahhhhh!! E antes que eu me esqueça... XÔôôÔÔôÔÔôôÔÔÔôô OLHO GORDOOOOO!!!kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk....



Feliz 1 ano de Barça pra mim!!! Yuuuuuhuuuuu....




Trilha Sonora: Eu ando pelo mundo, prestando atenção em cores que eu não sei o nome, cores de Almodóvar, cores de Frida Calo, cores! (...) Eu ando pelo mundo, divertindo gente, chorando ao telefone, vendo doer a fome, dos meninos que têm fome. Pela janela do quarto, pela janela do carro, pela tela, pela janela, quem é ela? Quem é ela? Eu vejo tudo enquadrado..." (Adriana Calcanhoto)

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Imperfeito, Perfeito ou Mais que Perfeito?

Não importa qual dos três.... o nome mesmo já diz: pretérito... tempo verbal: PASSADO!!!
Por mais que tenha sido o 'mais-que-perfeito' possível... ainda assim está ali... num momento que não é mais o presente, e a não ser que tenham inventado a máquina que viaja no tempo, vc nada mais poderá fazer para vivê-lo, ou alterá-lo. Passou.
Eu sou uma adepta da opinião de que o que somos hoje, é fruto daquilo que vivemos no passado!
Sem dúvida!!
Todos os relacionamentos, amizades, alegrias, sofrimentos, dificuldades, conquistas e perdas, etc etc... enfim... tudo aquilo de menor ou maior importância seguramente ajudaram para construir o seu 'eu do presente'.
E como é bom poder ter lembranças... ahhh como é bom!
Mas uma coisa tem que ficar clara, são apenas isso: lembranças. O passado já não existe mais... e, portanto, não dá pra viver nele, dele, por ele. É preciso saber virar a página e parar de insistir em coisas que já não tem o menor sentido. E principalmente parar de viver com a armagura de não se conformar que determinada coisa acabou.
As coisas podem acabar sim. O momento acaba, a viagem acaba, uma amizade - às vezes - acaba, um trabalho acaba... e o amor, esse tbm pode acabar.
O que ficará pra sempre são as coisas boas vividas em cada uma delas (e ficam), e o aprendizado que cada coisa ruim deixou. Ponto. That's it.
Sinto pena das pessoas que tem dificuldade de enxergar um fim... seja lá do que for... e vive se martirizando, sofrendo por aquilo ou alguém.
Claro que muitas vezes não é fácil se desapegar de coisas e/ou pessoas que amamos, que foram importantes (principalmente pessoas). Vc fez planos, sonhou, idealizou, etc etc... é muito normal sofrer, faz parte do ser humano. Mas acredito que existe um limite, vc sofre por um certo tempo, mas chega uma hora que é necessário parar.
E não adianta querer passar uma imagem de que superou, que esqueceu, quando na verdade todas as atitudes mostram exatamente o oposto... nesse momento é que dá ainda mais pena.
Acredito que o problema muitas vezes é num tipo de amor que NUNCA deveria acabar... mas que existem pessoas que insistem em esquecer que ele existe, demonstram não ter, ou se tem, é bem pouquinho: o amor-próprio. Esse sim deveria existir sempre, sempre sempre. Afinal, como dizia Albert Camus, "O homem tem duas faces, não se pode amar ninguém, se não amar a si próprio".
Não vamos também nos amar demais (ou fingir que nos amamos demais) e achar ou querer mostrar que somos a coisa mais linda e incrível do universo, porque nada em excesso faz bem e é saudável. Mas isso aí já é assunto pra outro post. Logo logo...
Bom, sem mais delongas, acho que é isso... quem passa tempo demais olhando e desejando algo que já está no passado, acaba perdendo de aproveitar o presente e principalmente, perde a chance de planejar um melhor futuro.
E que triste que é isso!
"A vida só se compreende mediante um retorno ao passado, mas só se vive pra diante." (Soren K.)



#ficaadica



Trilha Sonora: "Na mudança do presente, a gente molda o futuro." (Gabriel, O Pensador)

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Eurotrip...


Nossa... 20 dias sem postar...
Posso falar que tava com saudades daqui?? hahahaha JURO que tava.
Mas a correria das últimas duas semanas me impossibilitou...
It doesn't matter... agora estou aqui, firme e forte...
E pior é que tem taaaaaaaanto que quero falar... noossa!!! MUITO... mas vamos com calma, pq as coisas pertecem a grupos totalmente diferentes de assuntos, e se eu ponho tudo num post só, com certeza vão achar que estou maluca... então...
Vamos por partes...


EUROTRIP!!!!!!!!!
París, Bruxelas e Amsterdã...
Esses foram os motivos da minha ausência na primeira semana.
Justo, não? kkkkkkk...
Depois de alguns meses, finalmente conseguimos coincidir as minhas férias da Pós, mais as férias do trabalho do meu namorado (Pedro) e o fato do nosso queridíssimo e amado "filho" (Vinny) estar sem trabalho e então decidimos fazer uma viagem, nós três... afinal, o Vinny tá voltando para o Brasil e essa era a chance de concretizar um plano que temos desde que nos conhecemos.
Nem preciso dizer que foi MARAVILHOSA né??!?!?!
Eu já conhecia estas três belíssimas e encantadoras cidades, mas foi maravilhoso poder voltar e ainda mais em companhias tãoooo especiais.
Alugamos um carro e pegamos a estrada... todas lindas por sinal!! O destino final era Amsterdã, mas passamos por París e Bruxelas na ida. Foram 06 dias INCRÍVEIS!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Aproveitamos mtooooooooooooo!!!!
Apesar de estarmos exaustos na volta (17h direeeto de Amsterdã até Barcelona) cada segundo valeu suuuper a pena. E como valeu!!!!
Foi inesquecíveeeeel!!!!
Depois que cheguei, veio o momento "arrumação-pós-viagem", que acredite, demorou bastante... kkkkkk aliado ao fato de noites e mais noites no Sugar e SubRosa... tudo isto acabou me rendendo mais uma semana de ausência aqui.
Bueno... agora, acredito que estou de volta à normalidade...
Ou não... afinal, em Barcelona... you'll never know...
kkkkkkkkkkkkkk...



París




Amsterdã



Bruxelas




Trilha Sonora: "Mais um passo nesses espaço, tanto espaço e ainda assim, o mundo é pequeno pra mim..."(O Círculo)

quarta-feira, 28 de julho de 2010

#Prontofalei!


A vida, às vezes, dá uma sacudida na gente, pra nos fazer lembrar que não viemos aqui a passeio.
E isso é um fato.
Por mais que tudo esteja dando certo (e está), vez ou outra é necessário que aconteça alguma coisa pra te lembrar que nem todo dia é de sol, nem toda água é pura e nem toda terra é fértil.
A gente tá nessa vida pra aprender, crescer, evoluir... e são as coisas mais ou menos, ruins ou péssimas que fazem com que isso aconteça.
Cada dia mais vivendo nessa cidade, eu vejo isso, por fatores daqui, e alguns fatores reflexos do Brasil.
Por mais que minha vida atualmente esteja aqui... ela continua ali também. Na vida das pessoas que amo, que me importo, que quero cuidar, ainda que longe. Nos problemas dos meus amigos, da minha família, nas suas conquistas, alegrias... tudo isso me afeta diretamente, é claro. Vibro junto, sofro junto.
E há também aqueles que não são amigos meus, nem família minha, mas que insistem em se fazer presente vez ou outra. Presença essa que, ainda que muito indiretamente, envolve a mim também de certa forma. Pobre de quem finge ter uma postura, quando na verdade está agindo de outra forma por trás, pensando, talvez, que não sei do que passa, do que ocorre. Mas sim, eu sei... graças a Deus as coisas são muito abertas, até onde devem realmente ser, e sempre me põe a par das mesmas. Mas se existe essa necessidade de continuar se engando, insistindo... paciência. Não cabe a mim abrir olhos e nem alertar ninguém... a vida se encarrega de ensinar. Cada um que sabe de si e da vida que quer levar. Existem os que preferem a verdade, e os que não conseguem conviver com ela e portanto, preferem escutar aquilo que gostariam de ouvir, não importa quão mentira seja. E pelo outro lado, existem os que preferem falar a verdade, não importa o quanto machuque, (o que é bastante difícil) e os que não tem coragem para dizê-la, por pena, consideração, medo de machucar, enfim...
Os motivos que cada um tem para seguir qual caminho que seja, eu não sei, e tampouco me interessam... mas imagino. E por isso, tento compreender e relevar o jeito de cada um por mais diferente que seja do meu.
Talvez eu devesse dar mais importância, talvez não devesse dar nenhuma. Por enquanto, fico num meio termo. Concentro-me na imensa pena que sinto e tento ser compreensiva. Concordo que às vezes, sou compreensiva demais... ainda que com quem não mereça.
Mais vai entender, né? Talvez Freud explique...
Enfim.
Assim "caminha a humanidade"... tendo que muitas vezes, conviver com pessoas COMPLETAMENTE diferentes de vc... vivendo situações TOTALMENTE inusitadas e tentando SEMPRE aprender alguma coisa com cada uma delas. Tudo bem que uns caminham "com passos de formiga e sem vontade", mas eu prefiro agarrar cada experiência e extrair dela o máximo que posso. Me espelhar apenas nas coisas boas, pessoas que valem a pena e que podem acrescentar algo de bom na minha vida.
De resto, o resto, só me serve como um exemplo de como NÃO SER, e NÃO FAZER.
A mochila aqui tá cada dia maior, e eu sou muito grata a Deus por ter a oportunidade de estar vivendo tuuuudo isso.
A minha vida em Barcelona é muito cheia de pessoas, fatos, situações, sentimentos, informações. E a possibilidade de tudo dar um giro de 180º amanhã, e mudar completamente, é tamanha. Muitos meses foram assim e a possibilidade de continuar sendo me excita demais.
Estou aqui pra isso. Aprender, ver, sentir, tocar, valorizar, VIVER.
Vou continuar aproveitando cada segundo e voltarei quando achar que foi suficiente.
Se será amanhã, daqui a um ano ou dez... só Deus sabe.... e por enquanto, que Ele conserve esse mistério.

Amém!




Trilha Sonora: "Mistérios da meia-noite que voam longe, que você nunca, não sabe nunca, se vão se ficam, quem vai quem foi..." (Zé Ramalho)

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Orgulho!

Recebi esses dias, pelo meu irmão, uma informação que me deixou extremamente orgulhosa.
Saiu em Salvador o ranking, se assim podemos chamar, das melhores escolas do nosso Estado, de acordo com a média das notas dos alunos no Enem.
Pra minha alegria, os dois únicos colégios que estudei na vida, estão nesse ranking!

O colégio Oficina, em Salvador, o qual cursei o 1º, 2º e 3º ano, ficou em 12º lugar. Por experiência própria, digo que é um colégio excelenteeee!!! Os professores são sensacionais, é um colégio que preza muito pela cultura, educação, cidadania, solidariedade e liberdade de expressão. Foram 3 anos MA-RA-VI-LHO-SOS pra mim!!
O Colégio Oficina não tem tantos anos de existência (apenas 21 anos) como alguns colégios mais tradicionais de Salvador, e por isso seu nome não é tão conhecido. Mas, pra mim, ele é muito melhor do que muitos destes. E digo com toda segurança e sinceridade.
Me lembro que na época do meu 3º ano, o famoso ano de vestibular, inúmeros estudantes (inclusive alguns amigos meus) de colégios como Anchieta, Módulo, Antônio Vieira, Portinari, São Paulo, Mendel, dentre outros muuuuitos, faziam matérias isoladas lá no Oficina. Para quem não sabe, matéria isolada é quando vc estuda em um colégio, mas resolve ter aulas de uma ou algumas matérias específicas em outra instituição como uma espécie de reforço. Em sua maioria os alunos de fora buscavam no Oficina as matérias isoladas de História e Geografia, ou Biologia e Física, e claro nas demais também. Curioso que não tinha um aluno sequer do Ofcina fazendo matéria isolada em colégio NENHUM, e o índice de aprovação nos vestibulares aquele ano foi de mais de 75%, sem contar os 4 primeiros lugares na federal: medicina, economia, psicologia e artes cênicas (teatro); primeiro lugar em medicina na baiana; medicina na Unicamp (SP); entre outros.
Eu recomendaria a qualquer pessoa colocar seu filho para estudar no Oficina, além de aprender muito bem sobre as matérias disciplinares, a gente aprende muito, também, sobre a vida.

O colégio Maria Montessori, em Ipirá, que ficou na 6ª posição desse ranking, foi onde eu passei a maior parte da minha vida, desde os meus 3 até os 13 anos.
Uma alfabetização de 1ª qualidade e um ensino que não deixa a desejar a colégio nenhum da capital, muito pelo contrário.É um colégio onde os professores, coordenadores, funcionários e diretores estão sempre tentando inovar, se reciclar, trazer coisas novas. Sempre tentaram despertar o lado criativo dos seus alunos e fazê-los pensar. Um lugar onde as pessoas te conhecem pelo nome, se preocupam com vc, e te tratam pessoalmente, e não como apenas mais um.
Foi na Montessori que recebi toda a base educacional para poder chegar onde estou hoje e só posso ser grata a todos aqueles que de certa forma contribuíram para meu crescimento e evolução.
Eu sou fã de carteirinha do Colégio Maria Montessori, e como filha antiga da casa, só posso estar POCANDO de orgulho por esse reconhecimento maravilhoso.Parabéééns a toda família Montessoriana!!!!


Abaixo a lista com as 20 instituições em destaque no Estado, as maiores notas no ENEM-(2009):

1 - Colégio Helyos, Feira de Santana, Privada, média 730,42
2 - Colégio Nossa Sra da Vitória, Ilhéus, Privada, 701,18
3 - Colégio Anchieta, Salvador, Privada, 696,43
4 - Colégio Militar de Salvador, Salvador, Federal, 692,09
5 - Colégio Acesso, Feira de Santana, Privada, 691,96
6 - Colégio Maria Montessori, Ipirá, Privada, 690,62
7 - Instituto Federal de Educação, Simões Filho, Federal, 690,08
8 - IFBA, Salvador, Federal EMR, 682,55
9 - IFBA, Salvador, Federal EMR e EJA, 681,47
10 - Centro Educacional Villa Lobos, Salvador, Privada, 681,44
11 - Instituto Social da Bahia, Salvador, Privada, 681,20
12 - Colégio Oficina, Salvador, Privada, 681,18
13 - Colégio Piaget, Valente, Privada, 680,19
14 - Escola Nobre, Santo Antônio de Jesus, Privada, 677,60
15 - Colégio Antônio Vieira, Salvador, Privada, 677,29
16 - Colégio Módulo, Salvador, Privada, 671,24
17 - Colégio Sartrecoc, Salvador, Privada, 670,96
18 - Colégio Comercial de Serrinha, Serrinha, Privada, 669,26
19 - Colégio Dínamo, Alagoinhas, Privada, 668,27
20 - Cefet BA, Barreiras, Federal, 667,25




Logotipo do Colégio Oficina - Salvador




Colégio Maria Montessori - 1999
Eu e alguns amigos no nosso último ano (8ª série)







Trilha Sonora: "Longe daqui, não posso ficar, pois a saudade me faz chorar. (...) Sou terra do chão de Ipirá. (Lilian Simões)

quarta-feira, 21 de julho de 2010

"A amizade é o amor que nunca morre."


Já dizia Mário Quintana.
E eu sou obrigada a concordar.
Como hoje, dia 20 de julho, foi elegido como "Dia do Amigo", quero poder dedicar esse post a todos os amigos verdadeiros que a vida me deu a alegria de adquirir.
Às minhas amizades mais antigas, que já duram 21 anos, quase 22; às outras amizades antigas, mas não de taaaanto tempo assim (de 20, 18, 15, 13, 10, 7, 5 anos); às amizades de colégio, da rua, da faculdade, das viagens; àquelas amizades que os caminhos da vida tratam de afastar um pouco, mas que a gente sabe que continuam e continuarão sempre ali; e às amizades recentes, mas que nem por isso, são menos importantes.
Todas elas são de suma importância pra mim, cada uma ocupando o seu devido espaço na minha vida e no meu coração.
Com todas elas aprendi coisas, ensinei algumas, compartilhei outras tantas.
E portanto, por tudo... eu só tenho a agradecer.
Obrigada a todos os meus amigos, que longe ou perto, dão mais alegria a minha vida e sem os quais, a vida não teria a mesma graça.
Obrigada por me fazerem passar por esse mundo com a convicção de que eu conheci a amizade incondicional, recíproca e verdadeira... o amor puro, cuidadoso e leal.
Obrigada por todos os momentos de alegria compartidos, e pelo suporte naqueles não tão alegres assim.
Obrigada por me fazerem sentir saudades, e por saber que minha ausência também é sentida.
Obrigada por existirem e fazerem parte da minha história!




FELIZ DIA DO AMIGO!!!!!




Trilha Sonora: "Amigo é coisa pra se guardar, no lado esquerdo do peito, mesmo que o tempo e a canção digam não..." (Milton Nascimento)

sábado, 10 de julho de 2010

Da sua Filó....

É sempre difícil e triste perder alguém tão querido pra gente.
E quando se está tããão longe, é pior ainda... a "ficha" demora a cair e fica realmente complicado de acreditar. Eu, sinceramente, ainda não posso crer que isso realmente aconteceu.
Nossa querida Maria Luiza, Mary pra nós, funcionária da nossa casa há mais ou menos 14 anos, foi chamada pra junto de Deus, assim de repente, sem dar aviso, sem se despedir.
Como pode numa semana vc falar com a pessoa, ela te parecer bem... e na outra, simplesmente, ela já não estar mais aqui?
Como??
E a gente que sempre brincava que um dia, quando eu casasse, ela ia morar comigo pra fazer todas as delicinhas de comida que eu adorava! :)
Não será mais possível.
A vida tem dessas coisas... e só nos resta aceitar, rezar e pedir tranquilidade para os corações saudosos...
O meu, é um deles.
Espero que esteja bem, Mary, e onde quer que vc se encontre tenha certeza que sua Filó aqui vai morrer de saudade de vc, da sua alegria, sua comidinha deliciosa, seu fanatismo por futebol, em especial pelo Palmeiras, dos casos que não conseguia terminar de contar de tanto que ria, da sua paixão pela sua netinha, pela fidelidade, disposição e carinho com a nossa família, enfim... por tudo que vc representou pra gente...
Será eternamente lembrada e querida!
O reencontro, um dia, é certo.
Descanse em paz.


Da sua Filó...



Trilha Sonora: "É tão estranho, os bons morrem jovens. Assim parece ser, quando me lembro de vc, que acabou indo embora cedo demais..." (Legião Urbana)

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Com muito orgulho e muito amor!!


É.... não foi dessa vez que levamos a taça pra casa e viramos Hexa.
Confesso que fiquei bastante triste e decepcionada.... mas não dá pra ganhar sempre né? Infelizmente.
Eu acabei me divertindo muitoooo nessa Copa do Mundo, e confesso, por um momento, acreditei SIM que fosse possível ganhar.
Os jogos foram excitantes, emocionantes... e como eu desejei a vitória do Brasil... nossa... como eu desejei!!! Percebi que meu lado patriota aflorou ainda mais aqui na Espanha! kkkkkkkkkk... Até aposta eu fiz!! hahahaha Agora é torcer pra Espanha não ganhar pra eu não precisar pagar! hahahahaha
Mas uma coisa que sempre achei muito interessante desde que fui morar fora pela primeira vez, e agora nessa Copa pude notar ainda mais, é o quanto o Brasil é querido por muuuuuitas outras nacionalidades, como eles apreciam o nosso futebol, nossa garra, nossa alegria, nossa forma de levar a vida... Só é uma pena que os próprios brasileiros que moram fora, e muitos do que estão lá também, não conseguem apreciar e enxergar o valor que tem nosso país... muitos insistem em falar mal, e apenas frisar o que temos de ruim.
Tem coisa errada? Noooooooossa... como tem!! Mas tem muita coisa boa, muita coisa mais avançada que muito país de primeiro mundo, digo por experiência própria que já morei em um há um tempo atrás, e agora estou em outro. Sem contar que nossa alegria de viver, não se encontra em mais nenhum outro lugar. Somos únicos, e por todos de fora, somos admirados por isso.
Eu recebi um email falando exatamente sobre essa questão... uma escritora holandesa que publicou um texto MARAVILHOSO sobre nós.

Vale SUPER a pena dar uma conferida.

"Os brasileiros acham que o mundo todo presta, menos o Brasil, realmente parece que é um vício falar mal do Brasil. Todo lugar tem seus pontos positivos e negativos, mas no exterior eles maximizam os positivos, enquanto no Brasil se maximizam os negativos. Aqui na Holanda, os resultados das eleições demoram horrores porque não há nada automatizado.
Só existe uma companhia telefônica e pasmem!: Se você ligar reclamando do serviço, corre o risco de ter seu telefone temporariamente desconectado.

Nos Estados Unidos e na Europa, ninguém tem o hábito de enrolar o
sanduíche em um guardanapo - ou de lavar as mãos antes de comer. Nas padarias, feiras e açougues europeus, os atendentes recebem o dinheiro e com mesma mão suja entregam o pão ou a carne.

Em Londres, existe um lugar famosíssimo que vende batatas fritas
enroladas em folhas de jornal - e tem fila na porta.

Na Europa, não-fumante é minoria. Se pedir mesa de não-fumante, o garçom ri na sua cara, porque não existe. Fumam até em elevador.

Em Paris, os garçons são conhecidos por seu mau humor e grosseria e
qualquer garçom de botequim no Brasil podia ir pra lá dar aulas de 'Como conquistar o Cliente'.

Você sabe como as grandes potências fazem para destruir um povo? Impõem suas crenças e cultura. Se você parar para observar, em todo filme dos EUA a bandeira nacional aparece, e geralmente na hora em que estamos emotivos..

Vocês têm uma língua que, apesar de não se parecer quase nada com a língua portuguesa, é chamada de língua portuguesa, enquanto que as empresas de software a chamam de português brasileiro, porque não conseguem se comunicar com os seus usuários brasileiros através da língua Portuguesa.

Os brasileiros são vitimas de vários crimes contra a pátria, crenças, cultura, língua, etc... Os brasileiros mais esclarecidos sabem que temos muitas razões para resgatar suas raízes culturais.

Os dados são da Antropos Consulting:

1. O Brasil é o país que tem tido maior sucesso no combate à AIDS e de outras doenças sexualmente transmissíveis, e vem sendo exemplo mundial.

2. O Brasil é o único país do hemisfério sul que está participando do Projeto Genoma.

3. Numa pesquisa envolvendo 50 cidades de diversos países, a cidade do Rio de Janeiro foi considerada a mais solidária.

4. Nas eleições de 2000, o sistema do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) estava informatizado em todas as regiões do Brasil, com resultados em menos de 24 horas depois do início das apurações. O modelo chamou a atenção de uma das maiores potências mundiais: os Estados Unidos, onde a apuração dos votos teve que ser refeita várias vezes, atrasando o resultado e colocando em xeque a credibilidade do processo.

5.. Mesmo sendo um país em desenvolvimento, os internautas brasileiros representam uma fatia de 40% do mercado na América Latina.

6. No Brasil, há 14 fábricas de veículos instaladas e outras 4 se instalando, enquanto alguns países vizinhos não possuem nenhuma.

7. Das crianças e adolescentes entre 7 a 14 anos, 97,3% estão estudando.

8. O mercado de telefones celulares do Brasil é o segundo do mundo, com 650 mil novas habilitações a cada mês.

9. Na telefonia fixa, o país ocupa a quinta posição em número de linhas instaladas..

10. Das empresas brasileiras, 6.890 possuem certificado de qualidade ISO-9000, maior número entre os países em desenvolvimento. No México, são apenas 300 empresas e 265 na Argentina.

11. O Brasil é o segundo maior mercado de jatos e helicópteros executivos.

Por que vocês têm esse vício de só falar mal do Brasil?

1. Por que não se orgulham em dizer que o mercado editorial de livros é maior do que o da Itália, com mais de 50 mil títulos novos a cada ano?

2. Que têm o mais moderno sistema bancário do planeta?

3. Que suas agências de publicidade ganham os melhores e maiores prêmios mundiais?

4. Por que não falam que são o país mais empreendedor do mundo e que mais de 70% dos brasileiros, pobres e ricos, dedicam considerável parte de seu tempo em trabalhos voluntários?

5. Por que não dizem que são hoje a terceira maior democracia do mundo?

6. Que apesar de todas as mazelas, o Congresso está punindo seus próprios membros, o que raramente ocorre em outros países ditos civilizados?

7. Por que não se lembram que o povo brasileiro é um povo hospitaleiro, que se esforça para falar a língua dos turistas, gesticula e não mede esforços para atendê-los bem?

Por que não se orgulham de ser um povo que faz piada da própria desgraça e que enfrenta os desgostos sambando.

É! O Brasil é um país abençoado de fato.
Bendito este povo, que possui a magia de unir todas as raças, de todos os credos.
Bendito este povo, que sabe entender todos os sotaques.
Bendito este povo, que oferece todos os tipos de climas para contentar toda gente.
Bendita seja, querida pátria chamada
Brasil!!"



S E N S A C I O N A L !

Acho que nada mais precisa ser dito né?
Gostaria que todos os brasileiros pensassem assim.
Não é se acomodar com o que tem de bom, achar que tudo é perfeito e aceitar o que há de ruim... de jeito nenhum.
Não é isso.
Mas também é começar a valorizar e enxergar que o Brasil tem muita coisa boa sim e merece ser valorizado por cada uma delas.
Tá na hora de começar a ter realmente ORGULHO de ser BRASILEIRO, né?
Demorou!



Trilha Sonora: "Dos filhos deste solo, és mãe gentil, pátria amada Brasil" (Hino Nacional)

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Ai, ai... São João!

Tá aí uma festa que eu gosto. São João.
Na verdade, aqui, me dei conta, que eu gosto mesmo do São João do Brasil... mas especificamente, do nordeste... pra ser mais exata ainda, da Bahia... de um lugar pequenininho e encantador, chamado Ipirá.
Exatamente.
Eu gosto do São João de Ipirá.
É verdade que o meu dia 23 aqui foi super divertido. Fui num aniversário de uma amiga muito querida, depois fui numa festinha brasileira de São João na casa de um outro amigo, com um monte de gente legal e com direito a bolo de milho, mugunzá, canjica e tudo mais... e depois ainda teve festinha na praia, com direito a cerveja, champanhe, música eletrônica, risada demais, muita alegria e uma volta pra casa - exausta - às 8h da manhã.
É fato que as pessoas em Barcelona curtem muito a festa do dia 23 pra 24. É o Sant Juan deles, e a festa que eles fazem nas praias, é realmente muito legal. Muita gente, mas muuuita gente mesmo, muita bebida, e-music (que eu realmente a-d-o-r-o!), e fogos, muitos, muitooooos fogos, a noite inteira!
Uma experiência bastante interessante e legal, eu adorei!
Mas... isso pra mim não é São João!!
Cadê o licor de tamarindo de Dona Lulinha? Os churrascos deliciosas na fazenda da minha mãe e padrasto? A correria pra reformar tooodas as camisas dos forrós que acontecem durante o dia? A alegria de rever todo mundo que mora fora de Ipirá? Aquele climinha frio e gostoso? Aquela torcida pra São Pedro colaborar e não deixar chover? Aquele forrózinho massa? O nervoso que dá ver meus irmãos pequenos se acabando com taaanta bombinha?
O São João que tô acostumada, dura dias, não somente uma noite! A cidade inteira respira isso, espera por isso e se prepara pra isso! As ruas são todas decoradas, e a noite, ficam cheias de fogueiras, cada casa com a sua na porta (essa parte acho péssima, acho que uma já bastava pra suprir a necessidade de todas as crianças de uma rua hahahaha), milhões de crianças fantasiadas de caipiras com seus foguinhos na mão, uma alegria danada!
A Guerra de Espadas que tem na avenida principal da cidade, é clássica!! Mas aí vc trata logo de ir providenciando um lugar estratégico e seguro (no meu caso, pq morro de medo), pra poder assistir.
Isso, Barcelona não tem.
O climinha de São João, os amigos de infância, a família. Aqui não tem.
A variedade de comidas, os licores maravilhosos. Aqui não tem.
Os forrós de camisa que a cada ano, aumenta o número. Aqui não tem.
A alegria de rever todos que moram longe e que sempre estão presentes em Ipirá nesta data. Aqui não tem.
Dessa vez, eu que estou longe e perdi essas comemorações.
Mas tudo bem... afinal, ano que vem tem mais, né?
Separa logo uma garrafa de licor de tamarindo pra mim porque em 2011, a comemoração vai ter que ser em dobro pra poder compensar!
Tô logo avisandooooo....
kkkkkkkkkkkk....




Trilha Sonora: "A fogueira tá queimando, em homenagem a São João, o forró já começou, vamo gente, rápa pé nesse salão..." (Mastruz com Leite)


Ps: Espero eu que tenham "rapado" o pé demaaaaaaais por mim, viu?? kkkkkkkkkkkkkk..."

terça-feira, 22 de junho de 2010

Minha educação depende da sua?

Bom... às vezes sim, às vezes não.
Mas não confunda educação com inércia. São coisas completamente diferentes.
Eu sou educada, sim. Inerte, jamais.
E é difícil ficar quieta diante de algumas coisas/pessoas/situações desagradáveis. Muitas vezes acontece sim de "perder as estribeiras", por mais que a gente não queira.
É fato de que a educação muitas vezes vem de berço, porém, em outras tantas não. Acontece de se aprender com a vida o que não deu pra aprender em casa, como também ocorre de se aprender em casa e fazer questão de esquecer tudo aquilo que foi ensinado.
Tem de tudo nessa vida. A primeira hipótese, louvável; a segunda, por sua vez, lamentável.
Quanto a mim, posso dizer, sem medo de errar, que minha educação vem dos dois: de berço (quem conhece minha família sabe do que tô falando), e da vida (quem me conhece também vai saber do que tô falando). E, portanto, posso dizer que, graças a Deus, fui muito bem educada. E falo isso sem modéstia e com muito orgulho.
Fui instruída, desde cedo, de que certas coisas na vida devem ser feitas. Dentre elas: não se meter na vida dos outros, "lavar a roupa suja" em casa, e não ter inveja de nada e nem de ninguém.
E isso na minha cabeça é muito claro. Tento sempre praticar da maneira mais intensa que posso.
E se tem uma coisa que realmente sempre fez parte do rol de coisas que mais abomino na vida, é a baixaria.
Tenho verdadeiro horror a gente baixa, sem classe. HORROR.
Quem me conhece, sabe beeeem do que tô falando. Nunca gostei de escândalo, vexame e derivados. De nenhum tipo.
Roupa suja pra mim sempre se lava em casa e se o seu problema é com alguém na rua (muito raro ocorrer comigo, mas ninguém tá livre), se resolve dialogando, com educação.
Isso que nos difere dos animais, a capacidade de conversar e resolver as coisas sem partir para meios baixos, chulos, e claro, físicos.
Isso, definitivamente, não combina mesmo comigo.
Mas, quem me conhece, sabe também que não engulo certas coisas facilmente, e o que não acho certo, falo mesmo. E algumas vezes, pra algumas pessoas, a minha sinceridade soa como falta de educação.
Mas eu sou assim, verdadeira, não gosto de "fazer tipo" e passar uma imagem do que não sinto, não penso, do que não sou, enfim... do que não vivo. Eu sou o que sou, como sou e gosto de como sou. Sempre tento aprender mais, porque isso é viver, mas a minha essência é a mesma desde sempre e será sempre assim.
Digo o que penso, se acredito que precisa ser dito, se acho que é o momento de me calar, assim o faço.

Neste momento, quero falar.
Se tem uma coisa que me irrita profundamente e que me faz perder a paciência é que se metam na minha vida.

Se mesmo não sendo meu amigo, ou sequer conhecido meu, vc acha a minha vida interessante e gosta de procurar saber dela, acompanhá-la diariamente, tudo bem, faça. Eu não me importo, de verdade, não me importo mesmo, acho minha vida suuuuuper interessante também! hahahahaha... Se, por outro lado, é inveja o motivo pelo qual vc se interessa demais pela minha vida, eu só posso lamentar realmente, e ter pena, mas não me abala também. O meu santo é muito forte.

Agora daí a querer se meter a julgar aquilo que digo ou que faço, presumindo saber do porquê, ou do que se trata, sem ao menos me conhecer, é beeeem diferente, são outros quinhentos.
Desde pequena, fui instruída a tomar conta da minha própria vida, e dela somente. Não egoisticamente falando, de jeito nenhum, até pq eu me importo até demais com os outros (algumas pessoas futuramente nos provam que não merecem nossa compaixão, mas prefiro ser assim), mas digo em relação ao fato de que, a vida alheia não me pertence, e, portanto, não tenho o direito de me meter.
Me ocupo dos meus planos, do meu futuro e daqueles que estão ao meu redor e que planejam junto comigo. Participo da vida daqueles que me convidam a entrar nela e fazem questão de repartí-la comigo, e só.
Não preciso me ocupar da vida dos outros, ainda mais se o motivo é a curiosidade ruim, inveja, fuxico, ou qualquer coisa do tipo... a minha vida já é bastante intensa, movimentada, e ela me é suficiente, graças a Deus.
E, falando em inveja, tenho que dizer: esse pra mim, é um dos piores sentimentos que existe, um grande mal da humanidade, sem dúvida.
Cada dia mais se vê pessoas insatisfeitas com suas vidas, desejando sempre aquilo que pertence a quem está "ao lado". E, se por acaso, a sua conquista não é possível, surge o desejo de que aquela outra pessoa não consiga ter também aquilo que vc quis e não conseguiu pra si.
Por quê?
Não entendo.
Porque desejar mal, porque invejar?
Corra atrás da sua felicidade, e se por acaso não deu certo de um jeito, mude seu plano, construa outro... mas busque ser feliz ao invés de ficar sentado torcendo para a infelicidade de alguém.
Eu não sofro desse mal, felizmente. Não me satisfaz ver ninguém infeliz, não me dá prazer algum nisso. Algumas vezes até já me obriguei a engolir e aceitar certas coisas por compaixão, por respeito ao sofrimento de alguém e até por pena.
Não tenho nenhum inimigo, não desejo mal a ninguém nessa vida. Ninguém mesmo.
Existem aqueles de quem sinto pena, porque, apesar de ser um sentimento triste, algumas pessoas são, sim ,dignas de pena. Mas raiva, não sinto de ninguém e nem quero sentir.
Se as pessoas soubessem como tudo isso é ruim, faz mal e, principalmente, não leva ninguém a lugar algum... repensariam suas vidas e principalmente suas atitudes.
Energias são coisas que existem, as boas e as ruins. E se vc deixa que energias negativas dominem seu pensamento, seguramente ela vai acabar dominando vc por inteiro.
E aí meu amigo? Fazer o que pra sair dessa maré negra?
Eu não gosto, não quero e não vou viver assim. A minha vida é positiva, alegre, feliz e vai continuar sendo.
Tem tristezas?? Claro!! Problemas?? Lógico!! Alguém conhece uma vida perfeita??
Eu nunca vi.
Já passei por muitas coisas sérias na minha vida, e aprendi que nada acontece por acaso. O que fica, é o que vc pode aprender de bom com cada uma delas, e o que conta, é a sua capacidade e sua força pra lidar com todos os obstáculos que seguramente aparecem e vão continuar aparecendo.
Mas uma coisa é passar por um problema e ter força pra superá-lo e resolvê-lo. Outra bem diferente é deixar esse problema virar sua vida e por conta da sua amargura querer causar problemas na vida dos outros.
Uma coisa é passar por um momento de tristeza. Outra bem diferente é se afogar nessa tristeza até inchar o coração de coisas ruins a ponto de que a alegria dos outros se torne um incômodo absurdo pra vc.
Uma coisa é sofrer por alguma coisa, outra bem diferente é não aceitar o que aconteceu, ao invés de tentar seguir adiante.
Esse tipo de sentimento, modo de levar a vida, me desperta pena. Pena por ver que pessoas assim estão vivendo da pior forma possível ao invés de viver pra aprender, cair e levantar, tropeçar e seguir adiante.
Pena porque um dia vão perceber que perderam tanto tempo se preocupando com uma vida que não é sua, que a própria vida está passando e poderia ter feito muito mais por ela.
Quando se ocupa demais da vida dos outros, e principalmente de uma pessoa específica, começa a achar que tudo que aquela pessoa faz é pra te afetar, que tudo que ela fala é uma indireta pra vc, que tudo que ela precisa e quer, é te atingir.
E acredite, na maioria das vezes, não é.

Agora daí, se alguém lê o que outro escreve, e toma pra si alguma coisa que foi dita (em relação a uma outra coisa/pessoa) achando que foi pra vc, é a maior prova de que vc se encaixou tão bem ,ou até melhor, naquele contexto. Afinal, vc mesmo se viu ali. Paciência. Não queira culpar ninguém por isso.
O que geralmente essas pessoas não enxergam é que a importância que elas dão a essa pessoa específica e a vida dela, não é a mesma que ela dá a vc, tenha certeza absoluta.
Não confunda a sua obessão e acredite que isso é uma coisa recíproca. Não é.
Se vc gasta tempo demais se ocupando da vida de alguém, não necessariamente essa pessoa tá se ocupando de vc também, ela provavelmente tem mais o que fazer.
Aí é que vc pode estar errando feio.
A vida tá aí pra gente crescer, amadurecer, aprender, basta querer.
Tento cada dia mais, dar valor as coisas boas, que importam e me levam a algum lugar bom.
Coisas sem importância, ridículas e insignificantes não merecem ocupar meu tempo e minha cabeça., a vida é muito curta pra isso.

Se, às vezes, por um momento, eu chego a dar uma certa atenção a isso, felizmente dura pouco tempo e percebo que a gente cresce e amadurece na vida por algum motivo.



Trilha Sonora: "Somos nós que fazemos a vida, como der, ou puder, ou quiser. (...) Viver e não ter a vergonha de ser feliz. Cantar, a beleza de ser um eterno aprendiz. (...) É a vida! É bonita e é bonita!" (Gonzaguinha)